Quem vai aos museus? Case study NPG

Case study The National Portrait Gallery

national_portrait_gallery-1-cópia

A National Portrait Gallery, em Londres, recebeu mais de 2 milhões de visitantes só no ano passado.

Com a maior colecção de retratos do mundo, inclui no seu espólio uma pintura da Queen Elisabeth até a uma fotografia do vocalista dos Queen, passando por todas as figuras britânicas de mais relevo na História.

Problema

Quem vai aos museus?

Dado que o financiamento do museu está directamente relacionado com o número de pessoas que entram, a NPG precisa de saber quem são estes visitantes, para conseguir atraí-los. Já usavam um sistema de contagem de pessoas, mas logo viram que não era suficiente. Perguntas sobre o perfil dos visitantes, como “Será que a última exposição digirida a jovens adultos teve, de facto, sucesso junto deste público?” ou “É o avô ou a avó que traz os netos ao museu?”, ficavam sem resposta.

Desafios

Instalação

Para obter esta informação, havia dois desafios:

  • Evitar instalar um número elevado de câmeras e equipamentos – que danificariam a entrada do edifício histórico; e
  • Lidar com a luz solar directa nas câmeras, nas entradas principais, que torna a cara das pessoas em silhuetas

Solução

Quem entra, também sai

A solução, é o Face Click®: um software de detecção facial que reconhece as características das pessoas, anonimamente, tais como faixa etária, género, e contagem de entradas, com grande rigor de acerto.

Instalando uma câmera virada para dentro do edifício, irá capturar as características dos visitantes quando saiem do museu (quem entra, terá que sair) pelas portas principais, para evitar a contra-luz nas câmeras. Nas salas de exposição e nas lojas de souvenirs, podem ser usadas as câmeras de vigilância existentes.

Captura de ecrã 2014-06-23, às 17.36.56

Resultados

Adaptar o museu

A National Portrait Gallery será munida com informação útil relativa aos padrões e aos interesses de cada grupo demográfico dos seus visitantes, em cada sala, loja, e no museu como um todo.

Por exemplo, se a sala de arte contemporânea atrai um público mais jovem, podem agora escolher um tópico para a próxima exposição que cative este público, quando antes seria algo aleatório. Ou também, se notarem que estão a entrar muitas mulheres, adaptar a loja do museu a seu gosto.

Todas estas métricas são actualizadas, em tempo real, numa plataforma online para que a NPG possa reuni-las rapidamente para partilhar com a administração. O Face Click® irá ajudar à tomada de decisão, a adaptar as obras de arte e mensagem do museu, tal como a planear futuras exposições de acordo com quem os visita.

Download do case study aqui

0 Comentários

Deixar um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>